Indy Ribeiro

@indyribeirooficial

Homenagem a Dió de Araújo - Martinha Roots 4.1 (2018)

“Onde está você?”

Decida a hora.


“É só você querer”

Era 23 de maio de 1944

“Novinho em folha”, hora do parto!


Em Escada, Pernambuco,

Nasceu aquele que viria ao mundo para brilhar.


Batucar,

Espalhar um som gostoso que chegaria a inúmeras cidades…

Iniciou o seu interesse pela música aos 12 anos de idade.


Tão cedo, nem sabia ainda do quanto seria capaz.


Tocou com Dominguinhos por 28 anos e foi fazendo sempre mais.


Em 1982 foi o incrível início do Trio XAMEGO.


Zequinha, triângulo 

Joãozinho, sanfona

Dió, zabumba.


Tratava-se da construção 

De uma história 

Que ficaria na memória 

Diante de uma linda trajetória .


Dió se uniu àquela que seria a mãe dos seus 4 filhos,

Maria da Conceição.


Juntos, colocaram disciplina 

Todos precisavam estudar,

Ter uma formação,

Autonomia pra trabalhar.


Ele é um homem intuitivo,

Acredita no que sente,

E em meio ao incerto,

Sente que tudo vai dar certo.


Arrisca, corre o perigo.


Confiante. Positivo.


Ah, ele gosta de um XAMEGO

Com sua zabumba

Traz desassossego

Batuca no mais belo coração 

E faz o público parar

Naquele xote matador.


Ele machuuuca,

Ele canta,

Ele toca,

Ele encanta 

Ele dá e ele tira a dor.


Concentração pra tocar o instrumento 

Ele faz um poema 

Dentro de qualquer lamento.


Ele traz uma uma coisa gostosa

Um paz…


Com sua leveza

Com seu sorriso

Com seu abraço que é abrigo.


Ele é casinha aconchegante 

É aquela foto com beijo no rosto

Ele desperta em todos

Tamanho gosto:

Pela música 

Pela vida

Pela família.


Toca ao lado de seus dois filhos

E fica todo orgulhoso

De um lado, Felipe,

Demétrios do outro.


E eles se olham,

E eles sorriem,

E o povo fica encantado

Com olhar extasiado.


Mas seu Dió também é divertido

Na hora do xote,

Tudo vira um perigo

Ele fala umas coisas ousadas

Dá umas apimentadas

Sacode os moços e a mulherada.


E aí a dança vai rolando

O clima aumentando

Todo mundo xoteando.


Neguinho começa a cantar baixinho.


No pé do ouvido, tem um segredinho

E a Maria bonita toda bem vestida

Com uma rosa no cabelo ou laço de fita,

Vai ficando derretida…


Mas seu Dió derrete o coração do mais novo ao mais idoso

Faz coração de pedra virar um doce de BEIJO GOSTOSO

No embalo musical.


Tem gente que passa bem,

Mas tem gente que quase passa mal

E fica sem fôlego … 


E aí a gente percebe que o som dele é rico, é tudo muito fino.

E eu me pergunto,

Rei do Zabumba,como não homenagear, aplaudir, destacar?

O mais lindo,lindo,lindo…


Que chama as mulheres de cheirosas, carinhosas, maravilhosas 

E coloca todo mundo pra dançar, até o corpo dar um nó

Noite adentro fazendo forró

Este cabra só podia ser Dió!


Indy Ribeiro
Maio/2018
Ilhéus, Bahia